Tearo Escola pioneiro na formação de escola artística destinado para jovens afrodescendentes em Salvador

Flow Festival comemora um ano com grandes shows neste sábado
18 de julho de 2018
Parangolé apresenta a terceira edição do Parango Lounge, hoje
19 de julho de 2018
Resultado de imagem para teatro escola teatro jorge amado

Há um ano, em 2017, nasceu em Salvador o Teatro Escola, um projeto que vem se destacando em fazer a diferença através da arte e da educação, proporcionando a jovens negros uma ligação a sua matriz cultural, sendo a primeira iniciativa desta montada no Norte e Nordeste, resgatando o conceito de escola artística, uma   escola voltado para  jovens afrodescendentes, fazendo deste ambiente um espaço inovador, totalmente dedicado aos estudos dos povos e da cultura afro-brasileira, oferecendo uma diversidade de opções de cursos como: Teatro, Dança, Fotografia, Maquiagem, Iluminação Cênica e Produção Cultural. Agregando a estas modalidades fixas, temos as disciplinas opcionais, que faz a escola ser pioneira nesse formato de estudos práticos e teóricos ligado a área artística. As inscrições são gratuitas para jovens afrodescendentes e estudantes da rede pública de ensino, de 14 a 24 anos.

Idealizado para servir à formação da cidadania e do pertencimento cultural dos adolescentes afrodescendentes, através do exercício da arte, no primeiro semestre deste ano, além dos cursos principais, o TEJA disponibilizou uma variedade de módulos interdisciplinares, como Cultura Nordestina, Construção Textual, Filosofia, História da Arte, Museologia, Ciências Políticas, Práticas Argumentativas, Preparação Vocal, Comunicação e Cultura, Assessoria de Comunicação, Ética e Estética e  História Afro Brasileira, onde cada aluno pôde optar por até três módulos interdisciplinares, integrando sua estrutura curricular com aquela já feita no  curso artístico da sua escolha e, acima de tudo, reforçando o conhecimento e o espírito de cidadania. O projeto vem ganhado mais forma ao inserir aula da Linguísticas Africana dentro do contexto escolar, sendo a primeira escola que inseri esta modalidade de estudos.

O Teatro Jorge Amado, através do seu gestor Nell Araújo, idealizou e acolhe em suas instalações, o projeto TEJA, que em um ano de existência, proporcionou o acesso à educação artística e cultural a mais de 300 alunos. Somente no primeiro semestre de 2018 foram ofertadas mais de 130 vagas para módulos artísticos e interdisciplinares, além de atividades complementares voltadas para a área cultural, tais como bate-papos com artistas locais e nacionais, visitas técnicas em teatros, palestras, bate-papos artísticos e oficinas, sorteios de convites para espetáculos de teatro, shows e cinema.

Mesmo com pequena divulgação na mídia tradicional, visto que o seu forte, por ideologia do projeto, é a divulgação feita pelos próprios alunos em sua comunidade e entre os colegas nas escolas de ensino público, em 2018 o TEJA obteve 2000 inscritos, nos dois primeiros dias de inscrições, comprovando a excelência técnica e humana de seus cursos, ministrados por professores voluntários dedicados, experientes em suas áreas de atuação. Para Nell Araujo, “essa grande procura se deveu ao amor com que as atividades são feitas aqui, pois o Teja nasceu com este desejo de trazer mais cultura para a vida de jovens negros, fazendo deste espaço um espaço inovador, totalmente dedicado aos estudos da cultura afro-brasileira, um verdadeiro templo do aprendizado artístico, com uma diversidade de opções para nossos alunos”.

Além disso, o TEJA conta com uma excelente tecnologia de gestão escolar, onde professores, alunos e pais dos alunos podem interagir entre si. O aplicativo permite que os professores possam compartilhar atividades em tempo real, aplicar provas, enviar notificações, notas, presença, gerenciamento de conteúdo e até vídeo aulas. Já os pais acompanham a frequência dos seus filhos, notas e até mesmo conversar com professor sobre dúvidas ou sugestões, conferindo mais agilidade e transparência ao processo educacional.

Sempre pautado na busca de melhorias para a expansão de suas atividades e das redes de acesso aos direitos sociais pelos alunos atendidos, em 2018 o Teatro Escola firmou parcerias técnicas com grandes instituições da cidade de Salvador, fortalecendo a estrutura educacional e pedagógica e trazendo mais qualidade e abrangência profissional para os alunos.  Dentre essas parcerias, destaca-se o IPAC –  Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural do Estado da Bahia, que tem como finalidade desenvolver um módulo de estudos sobre patrimônio material e imaterial da nossa história e memória cultural, as aulas serão  realizadas  através de um roteiro onde os alunos poderão fazer visitas guiadas por um profissional da Instituição nos principais museus da capital baiana.

Outra parceria importante foi com a Universidade Católica de Salvador – UCSal, tornando os nossos discentes alunos ouvintes de materiais especiais dentro da universidade, proporcionando assim a vivência no universo acadêmico, através de estudos específicos na área de arte e cultura. As aulas artísticas, ministradas nos laboratórios de fotografia, rádio e Tv serão oferecidas gratuitamente a todos alunos interessados. Destacamos, também, que os nossos alunos concorrem as bolsas de estudo integrais e parciais nos cursos da UCSAL das mais diversas áreas: Ciências Naturais e Saúde, Ciências Sociais Aplicadas, Educação – Cultura e Humanidades, Engenharias e Tecnologia.

Outra parceria de importância é com profissionais na área de Psicologia Social, que atendem nossos estudantes, trabalhando-lhes a autoestima deles dentro da sociedade e trabalhando O desenvolvimento pessoal, tornando-os multiplicadores e propagadores das transformações sociais das quais e arte é capaz. O teatro, juntamente com o projeto, vem trazendo mais uma inovação para gestão, que é Núcleo de Pesquisa de Desenvolvimento Cultural, voltado para área de pesquisas culturais realizadas pelos alunos do Teatro Escola. Esta área irá proporcionar aos estudantes do TEJA o desenvolvimento de pesquisas voltadas à área cultural e, assim, contribuirá para desenvolvimento da cena artística da cidade. Nesses três anos atuando na área de Gestão Cultural, venho dando ênfase ao trabalho colaborativo na vertente social e tentando propagar a importância dos nossos espaços artísticos, ao desenvolver um novo viés na multiplicação de novas formas de políticas culturais que disseminam as linguagens artísticas.

 Mesmo com todo esse manancial cultural e com grande capacidade mobilizadora de vidas e de provável transformação social, através da educação e da arte, infelizmente esse projeto ainda se encontra sem patrocínio permanente e regular e luta pela sobrevivência, todos os dias, para manter viva a chama da arte na vida desses nossos adolescentes e jovens afrodescentes em condições sociais precárias e com poucas oportunidades oferecidas pelo mercado de trabalho e pela sociedade em geral. O TEJA busca parcerias para patrocínio das atividades ainda em 2018.

O resultado desse projetos vem comprovando a importância de integrar  a arte e estudos da cultura afro brasileira, como pressuposto para atrair e manter os novos jovens nos espaços culturais e proporciona-lhes uma nova experiência, de estudos  diferenciados e uma pedagogia mais atrativa voltada  para expandir e fortalecer os valores da identidade étnico-cultural dos nosso país.

 

 

Fonte: ASCOM/TJA